segunda-feira, 15 de abril de 2013

Posted by Eduardo G. Junior In | No comments
SIGNIFICADO, EXPLICAÇÃO, ESTUDO, PROVÉRBIOS 2828.1-3 — Fogem os ímpios sem motivo (Sl 53.5), porque sentem culpa e medo de serem pegos.

28.4,5 — Quando a pessoa abandona a Lei de Deus, ela perde toda a noção de certo e errado e segue o caminho do ímpio (Rm 1.28-32). Como o verdadeiro juízo provem de Deus, os ímpios não conseguem entender a justiça do Senhor. E por isso que temer ao Senhor é o principio da sabedoria (Pv 1.7).

28.6 — Os provérbios fazem considerações equilibradas a respeito do rico e do pobre. Em nenhum momento, presumem que a retidão leve a riqueza, nem que as pessoas ricas são necessariamente fieis a Deus. Conforme indicado por este versículo 6, é melhor padecer necessidades e ter riquezas espirituais, do que possuir muitos bens e ser uma pessoa ímpia.

28.7 — Ser companheiro dos comilões (Pv 23.20, 21) é desobedecer a Lei de Deus. Por isso que os inimigos de Jesus o acusavam de andar na companhia de glutões [comilões]; tais acusações eram ataques a Sua fidelidade a Deus (Mt 11.19).

28.8,9 — O lucro obtido por meio da usura é injusto. Deus acabara por ajudar os pobres — às custas de seus exploradores.

28.10-13 — O que faz com que os retos se desviem. Estas palavras assemelham-se ao alerta de Jesus contra desviar Seus discípulos do caminho (Mt 18.6). Paulo capta vividamente este tipo de maldade: Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá (1 Co 3.17).

28.14 — Este versículo ressalta como é bem-aventurado aquele que reverencia o Senhor (SI 1.1). A pessoa que nunca pensa em Deus enfrenta calamidades.

28.15,1 6 — Como leão bramidor. Por meio desta expressão, o reinado opressivo do rei malévolo é comparado a animosidade do ataque de certas feras. Sem a verdadeira compreensão, o rei insensato não percebe que a segurança de seu trono está ligada ao bem-estar de seus súditos. O rei que detesta esse tipo de opressão descabida traz estabilidade e prolonga o seu reinado.

28.17-19 — A expressão “lavrar a sua terra” é um chamado ao trabalho árduo, uma promessa de recompensa e um alerta contra os ociosos.

28.20 — O homem fiel tem êxito. Ou seja, e a fidelidade a Deus, e não a ambição, que determina o sucesso na vida.

28.21,22 — Existem pessoas que se deixam subornar por tão pouco para dar falso testemunho e prejudicar um inocente. De qualquer forma, qualquer ato que envolva suborno, egoísmo e insensatez vai de encontro a tudo que a Palavra de Deus ensina sobre justiça e sabedoria.

28.23 — A crítica construtiva tem mais valor do que a lisonja, que procura apenas conquistar a afeição das pessoas.

28.24 — Este provérbio condena o desrespeito ao quinto mandamento: “Honra a teu pai e a tua mãe” (Ex 20.12). O respeito pelos pais como dever a cumprir é tema comum no livro de Provérbios.

28.25-28 — Uma das principais causas das contendas é o orgulho; confiar em Deus, por sua vez, traz bênçãos e segurança.


Índice dos capítulos:

Provérbios 1 Provérbios 2 Provérbios 3 Provérbios 4 Provérbios 5 Provérbios 6 Provérbios 7 Provérbios 8 Provérbios 9 Provérbios 10 Provérbios 11 Provérbios 12 Provérbios 13 Provérbios 14 Provérbios 15 Provérbios 16 Provérbios 17 Provérbios 18 Provérbios 19 Provérbios 20 Provérbios 21 Provérbios 22 Provérbios 23 Provérbios 24 Provérbios 25 Provérbios 26 Provérbios 27 Provérbios 28 Provérbios 29 Provérbios 30 Provérbios 31

Outros estudos do livro de Provérbios:

Cf. Teologia do Livro de Provérbios
Cf. Introdução ao Livro de Provérbios
Cf. Esboço do Livro de Provérbios

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos